Cohab entrega mais 38 unidades habitacionais e ponte do Cruzeiro do Projeto Taboquinha

O Governo do Estado concluiu e entregou mais uma etapa do projeto Taboquinha, que está inserido nas obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em Icoaraci, com serviços sob a coordenação da Companhia de Habitação (Cohab). Foram entregues nesta segunda-feira (04) mais 38 unidades habitacionais e mais a ponte do Cruzeiro. 
 
A secretária de Estado de Administração, Alice Viana, e a primeira-dama do Estado, Ana Jatene, representaram o governador na cerimônia, juntamente com a presidente da Cohab, Lene Farinha, e a secretária adjunta da Seplan, Cristina Costa.
 
A ponte do Cruzeiro, com 51 metros de extensão, está localizada na Travessa do Cruzeiro próximo da Rua 15 de Agosto, e foi a primeira a ser entregue à população de Icoaraci. "Essa é uma reivindicação antiga da comunidade, que estamos concluindo e colocando à disposição de todos facilitando o tráfego nessa área", disse a presidente da Cohab, Lene Farinha.
 
As 38 casas entregues pela Cohab estão localizadas em um terreno chamado Área do Médico, na Rua Padre Júlio Maria à esquina da Travessa Pimenta Bueno, e são compostas de sala e cozinha conjugadas, dois quartos, banheiro, além de área externa. 
 
A titular da Sead, Alice Viana, destacou em sua fala que, ao entregar as novas unidades habitacionais, o governo honra com a missão de garantir moradia digna e melhor qualidade de vida à população carente. "Essa é uma luta histórica dos moradores dessa área e o trabalho que vem sendo feito proove uma mudança significativa na vida dessas pessoas. Exatamente por esse motivo foi determinado, pelo governador Simão Jatene, que a cada etapa concluída pela Cohab, as unidades sejam entregues imediatamente", disse Alice Viana.
 
Para Maria do Carmo Pantoja, que mora há mais de quinze anos na comunidade Cubatão, onde muitas pessoas aindam moram sobre palafitas à beira do igarapé, essa é a realização de um sonho."Minha casinha é de madeira, mas está em situação precária. Meu sonho sempre foi ter uma casa de alvenaria para viver com a família. Agradeço a Deus por isso", declarou.
 
Antonia Célia Souza sobrevive da venda de coco na orla de Icoaraci. Há mais de dez anos ela mora em uma casa de madeira, também na comunidade Cubatão, sem as mínimas condições de habitação. A possibilidade de sair das palafitas trouxe à vendedora ambulante uma nova perspectiva. “É um sonho que se transforma em realidade. Finalmente vamos morar em chão firme, não vamos mais pisar na lama. Duas vezes na semana preciso acordar às três da madrugada e receber minha mercadoria, que o caminhão descarrega cedo na orla. E todas as vezes tenho que me arriscar a andar sobre as vigas porque a área é perigosa. Mas a nova casa, além de ser mais perto, vai me permitir ter uma condição melhor. Então é claro que eu só posso estar muito feliz por tudo isso”, relatou.
 
Já o pescador Raimundo Ribeiro, que se dedica à pesca desde os nove anos, acredita que com a saída das famílias do Cubatão, o governo terá condições de revitalizar o leito do igarapé de mesmo nome. “Moro aqui há mais de trinta anos, numa casa de madeira de três compartimentos, com meu filho e dois netos. Eu já tinha sido remanejado antes para um apartamento, mas preferi aguardar a construção das casas por conta da minha atividade e por ter meus materiais de pesca para guardar, o que não daria pra fazer no apartamento.”
 
O Projeto Taboquinha, localizado em Icoaraci numa área de mais de 190 mil metros quadrados, ocupada há mais de duas décadas, beneficia 1.862 famílias. Desse total, 698 ocupavam áreas alagadas, várzeas e o leito do Igarapé Cubatão, em moradias precárias e desprovidas de qualquer sistema de saneamento básico. 
 
A urbanização dessa área teve início em 2008, com investimento em obras de infraestrutura, serviços e habitação, custeados com recursos do governo do Estado e do governo federal que contemplam a construção de unidades e melhorias habitacionais, urbanização, pavimentação de vias, implantação de rede de esgoto, drenagem pluvial e de abastecimento de água, estação de tratamento de água, centro comunitário e áreas de lazer, além de Regularização Fundiária dos lotes.
 
Todo o processo de seleção das famílias beneficiadas é validado pelo Ministério Público e pela Comissão de Acompanhamento de Obra (CAO), eleita pela própria comunidade para interlocução junto à Cohab. A representante da CAO, Rosa Souza, classifica a entrega de hoje como "uma grande conquista". Segundo ela, as novas casas representam a retomada da credibilidade junto à comunidade. "Alguns já não tinham mais esperanças, mas o governo está de parabéns por dar continuidade ao projeto. Sabemos das dificuldades, mas vemos que as coisas estão acontecendo de verdade. Para nós, da CAO, é muito bom fazer parte desse momento histórico e de resgate da autoestima dessas famílias", declarou.
 
O projeto Taboquinha, cujo cronograma de execução já alcança 77% dos serviços executados, inclui a recuperação do Igarapé do Cubatão, propiciando a retomada das atividades dos pescadores da área. Juntamente às pessoas com deficiência e pequenos comerciantes, eles (pescadores) estão entre os beneficiados com as casas térreas que o governo entregou hoje.
 
Por Rosa Borges